26 de abril de 2017

Celíaca feliz!

celiaca feliz cozinhando

Sou celíaca e sou feliz, mas sinto que há algo errado em escrever celíaca e feliz na mesma frase. Como se dois opostos estivessem sendo colocados forçadamente juntos e ser celíaco bastasse para impedir a felicidade de algém.

Paro para pensar e noto algo ainda mais estranho. Nas redes sociais, uso a hashtag #CelíacaFeliz apenas quando posto comida – comida gostosa, diga-se de passagem. Como se a felicidade do celíaco estivesse estritamente relacionada ao que ele come. Está, não tenho dúvidas disso.

Mas será que deveria?

Comer é um ato cultural, afetivo, social. Já cansei de dizer: quando comemos, não alimentamos apenas o nosso corpo. Nutrimos a nossa alma! Ainda assim, não vejo sentido em associar a nossa alegria, plenitude e satisfação unicamente ao que ingerimos.

Se não superar a relação que tinha com a comida antes do diagnóstico, o celíaco está fadado à infelicidade.

Qualquer restrição faz isso com a gente. Ser proibido de comer alguma coisa, nos leva a querer comê-la ainda mais. Tudo que é proibido é mais gostoso, não é o que dizem?! Restrição em excesso leva à compulsão, também costumam alertar.

E quando não temos escolha?

Quando excluir um ou mais itens do cardápio é questão de vida ou morte – exagero propositalmente utilizado para reforçar que a dieta sem glúten é o único tratamento possível para o celíaco – ou damos um jeito de transformar o nosso paladar, nos aventurar na cozinha e desapegar de antigos hábitos… ou seremos eternamente insatisfeitos.

celiaca feliz blog Laila Hallack

Não vejo sentido em abandonar o prazer em comer. Não é isso. O alimento é parte fundamental da nossa existência e da nossa sobrevivência. Não por acaso defendo tanto a inclusão alimentar e o nosso direito de ter acesso a coisas deliciosas como todas as pessoas. Terrorismo nutricional não é a minha, nem nunca será.

Por outro lado, enxergo cada dia com mais clareza o quanto precisamos nos desprender daquilo que não está ao nosso alcance mudar. Clichê, but true. O diagnóstico está dado? O que você pode fazer então?

Seremos para sempre celíacos, mas não precisamos sofrer para sempre com isso.

É só uma questão de perspectiva. De enxergar o lado bom, agradecer por descobrir a tempo (há quem não consiga isso) e superar, dia após dia, todos os nossos desafios. Mesmo que não possamos comer de tudo, nem em todos os lugares, jamais deveríamos deixar de desfrutar os sabores da vida. E eles nem sempre são servidos à mesa.

Comer é bom, mas viver com saúde é muito melhor.

O que você escolhe? Os dois, por que não?! Estamos aí para provar que ser celíaco e ser feliz pode não só estar na mesma frase, mas representar o que verdadeiramente somos.

celiaca e feliz

Sou celíaca e muito feliz. Não apesar disso, mas principalmente por isso. E você?

 

MAIS POSTS SOBRE:

  1. Cledson Campos

    Laila, você está sempre me dando ânimo. Isso é muito bom.

Deixe seu comentário!