30 de outubro de 2017

Ansiedade tem cura?

Comemoro os meses sem a medicação como um time que conquista o primeiro lugar de um campeonato insignificante. Não há do que se orgulhar tanto assim… Tudo continua uma zona aqui dentro. Yoga, meditação, exercício físico, alimentação balanceada, leituras espiritualistas, auto-conhecimento. Já decoramos a receita para a cura da ansiedade, mas ainda não nos perguntamos se ela, afinal, tem cura.

Cura Ansiedade

Mudei completamente a minha rotina, o meu rumo profissional, a forma como encaro os problemas e continuo com o mesmo aperto dilacerante no peito, com a mesma dificuldade para dormir bem – comigo o problema não é adormecer, mas ter um sono tranquilo ou menos tuburlento, que seja – e as mesmas incertezas corroendo os meus pensamentos.

Se antes sofria com a rotina maçante e a correria do trabalho de carteira assinada, hoje peno com os desafios de empreender; e não são poucos. Se antes perseguia obstinada um único plano, hoje me perco diante das muitas possibilidades que se apresentam para mim. Se antes amargava em silêncio as dores desse embaraçoso diagnóstico, hoje compartilho abertamente os meus dilemas sem que isso me torne mais resistente a eles.

O problema, definitivamente, não está na minha vida ou então as coisas teriam mudado da água pro vinho nos últimos tempos. 

Será que o problema sou eu, pergunto diante do espelho, tentando reproduzir alguma cena que pareço ter visto em algum clipe. Falta a música, a chuva lá fora e a certeza de que após o choro descontrolado o final será feliz. Não, o problema não está em mim.

Me recuso a fazer da ansiedade algo inerente ao meu ser. Somos coisas distintas, embora tantas vezes indissociáveis.

Tampouco espero inocentemente pelo final feliz. Já superei essa fase, mas também não consigo sentir plenamente a felicidade que precede o destino final. Quando se tem ansiedade, não é nada fácil aproveitar a jornada como nos mandam fazer, embalados por uma música relaxante e slides com céus e jardins em powerpoints cafonas.

Colagem Paste in Place

Paste in Place: mais uma série de colagens que descobri no Pinterest

Nossa complexidade não pode ser compreendida por nenhum coach do momento. A nossa dor nem sempre será amenizada por um receiturário, seja ele tarja vermelha ou preta. O silêncio contemplativo nos ajuda a compreendê-la, mas nenhuma técnica milenar é capaz de nos transformar em seres plenamente equilibrados.

Entre o mundo lá fora e o mundo aqui dentro há um abismo de contradições. Desejos, planos desfeitos, anseios, ilusões e desilusões, medos, crenças; camadas que não se desfazem de uma hora para outra e só se tornam mais entranhadas com o tempo.

Se a ansiedade tem cura, não sei. Acho provável que não. Como sei que conseguirei conviver com ela? Clarice Lispector, em Água viva, parece responder por mim. “Embora seja tudo tão frágil. Sinto-me tão perdida. Vivo de um segredo que se irradia em raios luminosos que me ofuscariam se eu não os cobrisse com um manto pesado de falsas certezas”.

 

MAIS POSTS SOBRE:

  1. Fran Lawall

    Ainda não estou livre dos fármacos, mas me pergunto constantemente se um dia viverei bem sem eles e poderei dizer que a ansiedade (anormal) se foi!

  2. Fran Lawall

    P.S.: texto lindo!

Deixe seu comentário!