9 de março de 2018

Ninguém precisa ser feliz o tempo todo

O que eu mais faço aqui e nas minhas redes sociais é dizer que a vida melhora muito após o diagnóstico da doença celíaca. E melhora mesmo! Mesmo repetindo isso o tempo todo, nem sempre é suficiente. Em alguns dias (cada vez menos, ainda bem), eu mesma me pego choramingando pelos cantos, lamentando as dores de ser celíaca em um mundo que tá longe de estar preparado pra gente.

Tá tudo bem. É normal!

Querer que o celíaco esteja sempre feliz com a doença beira o absurdo. Até para mim que grito aos quatro ventos que sou celíaca e feliz, não apesar disso, mas principalmente por isso.

Nos contentamos com a doença celíaca, enxergamos o lado bom de ter o diagnóstico, mas também temos o direito de cultivarmos algumas insatisfações.

no drama

Yes drama, please!

Só sendo inconformados com a realidade poderemos lutar para transformá-la. Desde que isso não nos transforme em uma pessoa ranziza e mau humorada, reclamar de vez em quando pode ser terapêutico.

Anote num papel tudo que você gostaria de comer se pudesse voltar a ingerir glúten (só não faça isso se não tiver controle sobre seus impulsos). Relembre as saias justas que já teve que lidar por conta da doença. Ria das idas ao banheiro em locais inapropriados quando ainda estava se recuperando (eu já caguei – desculpe a palavra – numa penitenciária e num hospital antes de ser inaugurado! #vidaderepórter). Xingue (mentalmente, hein) aquele dono de restaurante que desdenhou de você ou responda à altura quando questionarem a sua disciplina.

Silenciar as nossas dores também pode nos adoecer! Já transformar o nosso drama em humor, em pauta política, em um blog ou canal no Youtube… só nos fortalece.

Que saibamos aproveitar os altos e baixos da doença celíaca, pois todos os momentos fazem parte da nossa trajetória. E todos, sem exceção, podem nos fazer crescer.

Positive

Antes que me entendam mal, vou deixar claro: continuo defendendo que a gente tente enxergar de forma positiva a doença celíaca, mas convenhamos: tem hora que só queremos extravasar as nossas emoções. Eu faço isso escrevendo e você?! Com auto-conhecimento, podemos encontrar o tal do equilíbrio. Nada de ficar sorrindo abobado por aí como se o nosso tratamento fosse um mar de rosas, nem se afundar no fundo do poço. Se precisar de ajuda para sair dele, tô sempre por aqui.

MAIS POSTS SOBRE:

Deixe seu comentário!