8 de dezembro de 2016

Perfil da artista: Gabi Gonçalves

Perfil Gabi Gonçalves

Foto: Gopala

Marquei de entrevistá-la em um feriado para que pudéssemos ter mais tempo. Sabia que aquele seria um encontro especial. Estava certa. Fui recebida com a mesa posta e muito afeto. Falaríamos sobre o seu trabalho na Maria Buzina, mas acabamos tendo uma conversa sobre liberdade, auto-conhecimento e amor. Amor que pude sentir entre ela e as filhas. E que elas, generosamente, ofereceram para mim. Pegamos as almofadas que estavam no sofá, sentamos no chão e, ali mesmo, dividimos a comida e os nossos pensamentos mais profundos…

Maria Buzina - Etiqueta

Só sendo muito corajosa para postar um vídeo nas redes sociais, aos prantos, contando uma situação que acabara de presenciar. Impossível não se emocionar com os relatos tão verdadeiros de Gabi Gonçalves. Mais difícil ainda é não perceber que por trás das roupas coloridas e da voz doce existe uma mulher forte. Uma artista em busca de significado para a própria vida.

Na internet

Assim como eu, Gabi enfrentou a depressão. Por mais improvável que pareça, a autora das flores de tons tão vibrantes e contornos marcantes viveu essa espécie de tristeza profunda que acomete a gente. Mas até as flores mais exuberantes passam por ciclos para que possam renascer ainda mais floridas e cheias de vida.

Maria Buzina

“Hoje sei que tudo tem o seu tempo para acontecer. Sou feliz comigo mesma e com a vida que eu tenho. Para isso, precisei me libertar das obrigações impostas pelo mundo. Não vejo sentido em viver em busca de se ter cada vez mais. Uma existência sem excessos é fundamental para a nossa felicidade. Quanto mais dinheiro e luxo buscamos, menos feliz somos”.

A exposição nas redes sociais é uma maneira de retribuir as suas recentes descobertas. “Quero que as pessoas saibam que elas não estão sozinhas. Como artista, este também é o meu propósito. Divido questionamentos. São exercícios diários que pratico comigo mesma para me tornar melhor. Se não fizermos isso, não evoluímos…”. As publicações geram um retorno surpreendente e uma identificação imediata com seguidores de diferentes partes do Brasil.

De família

A simplicidade da Gabi vem de berço. Desde pequena, ela aprendeu com os pais a apreciar os detalhes da vida, a estar perto da natureza e a evitar o consumo desenfreado. As lições que recebeu só ajudariam a construir a trajetória voltada para a arte sustentável.

Cabide Maria Buzina

A Maria Buzina foi lançada há mais de dez anos. Com vontade de ter produtos diferentes, Gabi começou a produzir bolsas de couro. Sem conhecer nenhuma técnica, no chão da casa da mãe, criava as próprias peças. Foi, então, que o acaso bateu à porta. Ou não. Ao conhecer um loneiro – profissional que faz reparos na lona para que ela dure mais tempo – decidiu testar o material.

Detalhes Maria Buzina - Laila Hallack

Quando perguntam sobre o início da Maria Buzina, ela responde com um sorriso no rosto. “A Maria Buzina começou antes do meu nascimento, com os meu avós. Tudo o que minha família construiu foi graças aos caminhoneiros. Eles enfrentam tanta discriminação, tantas lutas, mas ao percorrer o país vivem situações riquíssimas”.

Talvez ela estivesse mesmo destinada a contar essas histórias…

Maria Buzina - Estampas

A lona é lavada à mão, o que exige um esforço imenso. Apesar da limpeza, as marcas permanecem e fazem do material o diferencial dos acessórios Maria Buzina. “Essas marcas são como cicatrizes. Elas contam a nossa história”. Com o toque da Gabi, a matéria-prima dura, simples e rústica, como a vida de quem vive nas estradas, ganha mais cor e leveza.

As bolsas também carregam um conceito, que reflete as origens e os propósitos da artista. “Minha intenção é gerar um novo olhar para o trabalho do caminhoneiro. Quando alguém adquire uma Maria Buzina, a bolsa passa a contar a história dessa pessoa. Agora ela é quem vai deixar marcas…”.

Sem modismo

Ao fugir da estética industrial, Gabi acabou criando uma identidade alternativa, um estilo meio hippie, embora dispense qualquer tipo de rótulo.

Maria Buzina - Bolsa Arte

Formada em Artes, pós graduada em Arte e Moda, a artista jamais teve a intenção de lançar moda e, muito menos, seguir tendências, mesmo com as pessoas esperando que fizesse isso. “Eu nunca criei coleção. A proposta é ser sempre diferente, porque todos somos diferentes”.

Apesar de questionar as imposições do setor, a Maria Buzina cresceu e ficou conhecida. Os acessórios feitos pela Gabi já foram vendidos para grandes marcas e exportados para diferentes países. Hoje, ela prefere se dedicar a feiras, eventos e a encomendas – a próxima é o Bazaar Manufato, de 20 a 22 de dezembro, no Espaço Manufato (estarei lá, claro!).

Maria Buzina - Arte em lona

E por que Maria Buzina?! Sim, tem gente que acha que o nome da marca tem relação com o tal “Maria Gasolina”. A Gabi já chegou a receber cantadas de homens que levaram para esse lado… Mas, não! A ideia é relembrar a volta do caminhoneiro para casa após uma longa viagem. O barulho da buzina é recebido com festa pela família que o aguarda. E o Maria? É porque soa mais divertido assim…

Amor de mãe

Laila Hallack - Gabi e filhas

Um dos muitos registros da tarde delícia que passamos juntas…

Durante a entrevista, fomos interrompidas diversas vezes pelas meninas. Observei que a mais nova fazia isso quando Gabi estava prestes a se emocionar. Era como se protegesse a mãe.

Elas riam o tempo todo. Brincavam entre si, trocavam olhares e demonstravam uma cumplicidade difícil de se ver. Ter presenciado a sintonia entre as três me fez entender melhor a importância que ela dá para a educação das filhas.

“Eu acredito que só vamos conseguir mudar o mundo educando pessoas para que sejam melhores, para que sejam mais participativas e conscientes”.

Enquanto estávamos ali, Manu desenhava. Helena dizia que quer ser estilista. Perguntei sobre a vocação delas e se iriam seguir os mesmos passos da mãe. Gabi desconversou da melhor maneira. Não quer obrigá-las a nada, mas incentiva para que se expressem como quiserem. “A arte é importante para todas as pessoas, não importa o que fazem profissionalmente. Ela nos faz ter um olhar mais humano. A arte nos faz acreditar“.

Gabi Gonçalves e filhas

Livres como os artistas. Assim ela quer que as filhas sejam. Assim ela, lindamente, é. “O artista se permite. É que tento ensiná-las. Precisamos ter liberdade para sermos quem realmente somos“, encerrou, pronunciando exatamente as palavras que eu precisava ouvir.

 

Fotos: Acervo pessoal da artista, Vinícius Gonçalves (Espaço Manufato) e eu.

MAIS POSTS SOBRE:

  1. Gabi Gonçalves

    Laila querida,
    Não me canso de ler essa matéria linda!
    A mais linda que já li sobre mim e as minhas filhas…
    Sua participação em nossa vida nos trouxe muitas alegrias e aprendizado e essa matéria já tocou o coração de muitas pessoas para que acreditem em si mesmas e possam ser mais felizes consigo mesma!
    Você faz milagres com sua escrita! Com seu dom divino!!
    Parabéns e muitíssimo obrigada!!
    Beijos enormes!!
    Gabi

  2. Maria Isabel

    Me emocionei com essa mensagem e gostei de conhecer um pouco mais da Maria Buzina/ Gabi. Conheci Gabi, faz alguns dias, e confesso que me “apaixonei”por ela. Mulher culta, simples e de uma generosidade sem limites. O mundo carece de pessoas com o coração de Gabi. Voce me cativou Gabi, é como se eu ja a conhecesse a anos. Laila, você foi agraciada por parte de seu tempo com uma pessoa tão amável como Gabi e compartilhar com o mundo. Parabéns!

Deixe seu comentário!