11 de janeiro de 2018

O que os celíacos querem

Celíacos - Laila Hallack

Em 2018, quero ter mais saúde. Quero cuidar mais da minha saúde. Quero valorizar a minha saúde. Quero comer mais frutas, verduras e legumes, mas também espero poder saborear inúmeras delícias sem glúten.

Em 2018, quero que mais estabelecimentos ofereçam opções sem glúten. E que essas opções sejam realmente seguras para os celíacos. Quero poder sair com os meus amigos e a minha família e ter o que comer sem passar mal ou colocar a minha saúde em risco.

Em 2018, eu desejo que os empresários interessados em abrir lanchonetes, restaurantes ou em vender produtos sem glúten entendam que há quem realmente precise ficar sem ele.

Em 2018, eu espero que os produtos sem glúten fiquem mais acessíveis, mais baratos. Quero me decepcionar menos e me surpreender mais com eles. Quero aprender novas receitas. Quero cozinhar mais. Descasar mais e desembrulhar menos, não é o que dizem?!

Em 2018, quero que as pessoas parem de perguntar quantos quilos perdi desde que parei de comer glúten. Quero que parem de me dizer que é frescura, coisa da minha cabeça e que se eu comer só um pedaço não vai me fazer mal. E espero que mesmo se continuarem dizendo que é frescura, coisa da minha cabeça e que se eu comer só um pedaço não vai me fazer mal, eu tenha paciência.

Em 2018, quero que tenham paciência comigo.

Em 2018, espero que mais pessoas tenham o diagnóstico adequado da doença celíaca antes de sofrer as consequências dela. Eu quero afastar de mim as consequências da doença celíaca.

Em 2018, quero que os profissionais de saúde parem de pedir a retirada do glúten antes de solicitar os devidos exames e descartar a possibilidade da doença celíaca. E que as pessoas entendam o perigo disso – não diagnosticada e sem tratamento ela tem graves consequências.

Em 2018, torço para que as pesquisas científicas que buscam alternativas para a vida do celíaco avancem e que a tal vacina que poderá nos permitir comer glúten novamente finalmente saia. Que eu não perca as esperanças, mas nem por isso deixe de encarar a realidade com disciplina e persistência.

Em 2018, quero valorizar ainda mais as coisas que ainda posso comer em vez de lamentar por aquilo que não posso comer mais.  Em 2018, espero que os celíacos continuem unidos e atuantes.

Em 2018, quero que a indústria faça a rotulagem correta dos alimentos e que os celíacos não precisem ligar para o SAC para saber se podem confiar até do NÃO CONTÉM GLÚTEN.

Em 2018, quero continuar longe do glúten. Quero continuar desconfiada, atenta e preocupada com o que como, mas também quero poder comer tranquila, sem medo e sofrimento.

Quero ser feliz, mesmo sem o glúten.

E vocês, o que desejam para o ano que já começou e eu tô atrasada fazendo post sobre isso só agora?! Pra quem não sabe, tô no Youtube também, não deixe de dar um pulinho lá, conferir os vídeos e se inscrever.

MAIS POSTS SOBRE: