15 de novembro de 2016

O encanto das nossas fraquezas

Laila Hallack Ser de verdade

De todos os posts que já publiquei, não só no blog, o que mais gerou repercussão foi o que falei abertamente sobre o transtorno de ansiedade. Não falo só de números. Essa história de contabilizar acessos é nova pra mim e ainda está longe de ser o mais importante aqui. Falo das mensagens e dos comentários que recebi, das pessoas que dividiram histórias parecidas e, de certa forma, me fizeram perceber que não era preciso ter relutado tanto para me abrir.

Num ambiente de aparências como a internet, em que todos parecem tão felizes, expor as nossas fraquezas nos aproxima uns dos outros.

E é libertador! Como em tudo na vida, na internet também assumimos papéis e interpretamos parte do que somos. A parte boa, claro. Não só os blogueiros fazem isso. Em nossos perfis pessoais, quase sempre preferimos mostrar os alegres momentos em família do que compartilhar os perrengues que enfrentamos juntos. Faz sentido. Nenhuma rede social é divã pra gente sair despejando os nossos problemas, mas não parece ser nem um pouco saudável ter que manter as aparências de que “tá tudo bem” o tempo todo. A vida de ninguém é assim.

Laila Hallack Máscaras

Os relacionamentos tendem a parecer tão perfeitos no nosso feed, com declarações e fotos a dois, que ainda nos espantamos com os términos de casais que eram tão perfeitos juntos. As selfies são a maior prova de que queremos ter o controle de tudo no mundo virtual. Poder escolher o ângulo que nos favorece também é uma forma de decidir como queremos parecer. Manipulamos não só as imagens, já pararam para pensar?

Laila Hallack Not perfect

Marilyn Monroe tinha razão: sem os memes e as tretas políticas, a internet seria a definição de boring!

O estudo da palhaçaria me fez querer descobrir o encanto das minhas fraquezas. Elas é que farão o outro rir de mim, ora! Não só vestindo o nariz vermelho que a nossa fragilidade pode nos tornar únicos. A nossa vulnerabilidade nos faz mais interessantes sempre, mas como é difícil nos despir das máscaras para alcançar a nossa verdadeira face!

Apesar de toda a sua complexidade, quando isso acontece, temos grande chance de gostar do que descobrimos. E, aí, devemos, sim, mostrá-la. Mesmo que as pessoas ainda se espantem com isso, nem tudo é como parece. Quer constatação mais óbvia e, ao mesmo tempo, tão necessária?

Ser de verdade numa sociedade tão superficial é um ato de coragem.

Laila Hallack Ilustração

Curiosamente, esse dias descobri que a origem da palavra coragem (me corrijam se eu estiver errada) vem de coração. É onde está a nossa essência, simples assim. Longe do alcance dos outros, afastada de qualquer necessidade de aprovação. Sem curtidas ou visualizações de ninguém, senão a nossa própria.

Mais piegas do que isso, impossível, mas talvez aí esteja uma parte de mim que tento esconder do mundo. A Laila em busca de si mesma é um clichê puro.

E você?! Qual a sua versão que ainda não foi postada?

Compartilha aí, vai.

 

MAIS POSTS SOBRE:

22 de setembro de 2016

FAQ: respondendo perguntas sobre o blog (e sobre mim!)

Amanhã faz um mês que o blog tá no ar! Foram meses planejando tudinho e muita coisa sendo organizada até agora. Por mais que o projeto tenha nascido de uma necessidade profissional, hoje ele é muito mais do que o meu cartão de visitas ou apenas a página de uma repórter.

Em tão pouco tempo, já deu para colher frutos incríveis. Cada acesso, visita, comentário e curtida me deixa tão feliz que seria impossível expressar aqui. A sua presença (sim, você aí do outro lado!) me motiva a continuar, mesmo sabendo que falaria sozinha se fosse preciso (não estou dispensando ninguém, hein!). Os primeiros convites para parcerias, as primeiras reuniões, as primeiras entrevistas. Estou vivendo tudo com uma motivação que há muito tempo não sentia. Tem sido uma experiência incrível!

Nesse primeiro mês, consegui responder algumas perguntas que até então nem eu sabia como responder. Muitas que foram e são feitas por vocês. Outras que eu mesma fazia para mim.

Para esclarecer tudinho, resolvi fazer um FAQ ou Perguntas Frequentes.

LailaHallack

Vixe, será que vou poder responder tudo?!

– Por que jornalismo?

Não sei nem dizer. Saí da barriga da minha mãe já sabendo que queria ser jornalista. Brincadeira, mas foi quase isso. Nunca tive outra certeza que não fosse a de querer contar histórias e transformar a realidade, mostrando o que vejo, presencio, percebo e sinto. Costumo dizer que estou sempre atraída pela realidade do outro, pelo incomum, pela rotina do mundo e por tudo que foge dela. Não tinha como fazer outra escolha. Se é que foi uma escolha…

– Blogueira ou jornalista?

Os dois, por que não!?

– A profissão de repórter é estressante?

Sim, muito! Mas igualmente deliciosa. Assim como a rotina (ou a falta de rotina) de uma blogueira ou blogger. Penso 24 horas por dia no que quero postar por aqui, assim como pensava 24 horas por dia nas matérias que ia fazer. Talvez seja a minha sina ou eu precise meditar mais

– Por que um blog?

Em tempos de Instagram, Snapchat, Youtube, me sinto até meio old school em criar um blog. Em querer escrever tanto – sim, preciso diminuir o tamanho dos posts. Mesmo sabendo que as pessoas estão assistindo mais do que lendo, não queria abrir mão desse desejo que sempre me acompanhou. Para mim, escrever é inevitável. É uma urgência. É como me reconheço.

– Quando escrever dói?

Nunca. Engraçado. Até na dor, escrever me faz bem. É como consigo extravasar. Transcendo pelas palavras que saem de mim, seja pelo esforço meticuloso do ofício ou pelo incontrolável impulso da inspiração. Hábito, prática, rito. Escrever pode ser tudo, menos sofrimento. Não sou masoquista.

– Mas, afinal, esse é um blog de quê?

De tudo um pouco. É um blog sobre as minhas verdades. Sobre coisas que gosto de ler, ouvir, assistir, vestir, comer, pensar, imaginar, criar. Sobre as coisas e pessoas que me inspiram e que quero conhecer melhor. Pode parecer egocêntrico, mas sei que alguém – em algum cantinho do mundo – pode se identificar com o que se passa aqui (dentro de mim e no blog). Com o tempo, espero perceber o que gera mais interesse e o que vale dividir com vocês. Por enquanto, me dou liberdade para experimentar e testar.

– E o canal no Youtube, quando sai?

Em breve, muito em breve. As ideias já estão formuladas, mas quero fazer algo pra valer (talvez esteja sendo exigente demais, eu sei). Por enquanto, acessem o Na TV. Lá também vai ter novidades em breve.

– Você vai fazer publiposts?

Nunca diga nunca, já diria o ditado… É claro que espero profissionalizar o blog e, quem sabe, fazer dele também uma fonte de renda, mas nunca deixarei de expressar a minha verdade e de me manter fiel ao que acredito. Vocês nunca vão me ver postando nada com glúten, por exemplo. Nem que me paguem! Aos interessados, estou aberta a outros convites, ok!?

LailaHallack2

Um beijo pra você que tá acompanhando o blog! Agradeço de coração, viu? <3

 

Vou ter que fazer um segundo FAQ. Rolaram algumas perguntas tão bacanas no Facebook. Prometo responder todas! Podem me cobrar (e fazer mais!).

MAIS POSTS SOBRE: